Apanhai apanhadeiras

Apanhai apanhadeiras

Barejai barejadores,
Quanta azeitona se perde
Nos olibais dos amóres.
Bamo-nos d’aqui, que é noite,

Seja de noite, que não,
Para mim sempre é de noite,
Dentro do meu coração.
Quero cantar, quero rir

Imentes solteira fôr
E depois de casadinha
Ser fiel ao meu amór.
Tenho um amór, tenho dois,

Tenho trés, não quero mais,
p’ra que é quero os amóres
Se êles não me são leais?