Mirandês – L diabro i l burro

L diabro i l burro

O diabo e o Burro

   Ua beç  ua burra tubo un burrico.  Apuis deili a três dies que naciu, iba yá cun sue mai pa l cerrado.

Apuis, andaba a saltos i a brincos no cerrado, polhi.

Apuis passou eili l diabro i biu l burrico a dar saltos i brincos tan altos cumo la burra sue mai.

I diç l diabro alhá para cun el todo admirado:  — Ai, aquel burrico, inda naciu há três dies i yá salta tanto!…  Quando chigar a tener binte anhos, aposta que dá saltos tan altos cumo l campanairo!?…

Bou-me a lhebá-lo para casa.

Apuis  l diabo lhebou l burrico pa sue casa i dou-le muito a cumer i tratou-lo mui bien.  Siempre mui bien.

Quando chigou als binte anhos, yá l burro era biêlho.  Botou-lo fuôra de l palheiro i l burro quaije nun se mexie.  Pus yá era biêlho!…

I diç anton el diabro pa l burro:

– Ora tu si que me amoleste!…

Yê la primeira beç que  l diabro, que se cuida tan spiêrto, se deixa anganhar dun burro.

I acabou-se.

    Uma vez uma burra teve um burrico. Três dias após ter nascido, ia com a sua mãe para o curral.

Depois, andava aos saltos e a brincar no curral.

Depois passou por ali o diabo e viu o burrico a dar saltos altos e a brincar com a burra sua mãe.

E disse o diabo para com ele todo admirado:

Ai, aquele burrico, só nasceu a três dias e já salta tanto!… Quando chegar aos vinte anos, aposto que dá saltos tão altos como a torre da Igreja!?…

Vou levá-lo para minha casa.

 O diabo levou o burrico para casa e deu-lhe muito de comer e tratou-o muito bem. Sempre muito bem.

Quando chegou aos vinte anos, já o burro era velho. Deitou-o fora do palheiro e o burro quase não se mexia. Pois já era velho!…

E então disse o diabo para o burro:

– Ora tu é que me amolas-te!…

É a primeira vez que o diabo, que se julga tão esperto, se deixa enganar por um burro.

E acabou-se.